Parcerias entre o público e o privado são receita de sucesso no urbanismo!

Adoção do Mirante Santa Terezinha, no bairro do Farol. O mirante foi totalmente revitalizado pelo programa de adoção de áreas públicas, o projeto é da Prefeitura de Maceió e é realizado por intermédio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável (Semds). A adoção de espaços públicos é formado através de convênios entre empresas da iniciativa privada e a Prefeitura.

De encontro com essa ideia Emilson C D Silva publicou um artigo cientifico do Movimento Cidade Bonita explicando a  lógica econômica por trás do movimento, encontramos o pensamento que uma bela cidade deveria aumenta a satisfação de seus moradores , portanto, o aumento dos valores dos imoveis, bem como expande os negócios da cidade, com aumento das vendas  de bens e serviços da cidade para os clientes locais e  turistas. Como exemplo disso foi a construcao do Parque Millenium , uma parceria entre o publico e privado. que valorizou em 10 mil dolares o m2 dos imoveis na regiao.

“Maceió está ganhando mais um ponto turístico, com uma nova iluminação em LED e que virou uma obra de arte através do projeto da Ana Maia e da Rosa Piatti, duas designers que levam o nome de Maceió e de Alagoas para o Brasil inteiro e alguns países com suas obras de arte. Quem vier ao Mirante Santa Terezinha irá deslumbrar de uma bela vista e de uma belíssima obra de arte”, destacou o prefeito Rui Palmeira.

O titular da Semds, Gustavo Acioli, comentou a importância de parcerias na adoção de espaços públicos. “Essa é a primeira adoção de um mirante em Maceió e vemos que deu muito certo, este espaço merecia uma transformação. Estamos buscando revitalizar alguns mirantes da capital e nada melhor que uma parceria para realizar uma intervenção urbana como esta, onde o maceioense poderá vir aqui e desfrutar de uma bela paisagem e

de arte, agora, temos que cuidar desse belíssimo espaço que irá receber turistas e servir para a realização de eventos culturais “, pontuou o gestor.

A arquiteta, designer e artista plástica Ana Maia explicou como surgiu a ideia de adoção do mirante. “A ideia surgiu há dois anos quando decidi montar o atelier aqui no bairro, mas vi que a área estava abandonada. A partir daí tomei a decisão que não adianta ficar trancada dentro do escritório e não interagir com o bairro, principalmente aqui, onde temos um belíssimo visual. Abracei a causa, me informei, procurei quem poderia me guiar nessa jornada e fui atrás. Após algumas conversas co

m a Prefeitura, construímos o projeto de adoção da área que foi acolhido pela Semds e por nós realizado. Fico muito feliz em ver que um local que estava ‘morto’, agora, chama a atenção de todos que passam pela região e em ver também que os vizinhos estão contente com a revitalização do mirante“, disse Ana Maia.

O mirante também recebeu ações da Superintendência Municipal de Energia e Iluminação Pública (Sima), é o que explica o diretor técnico do órgão, Luis Casado. “Implantamos sete luminárias em LED, três postes de metal, 45 metros de mangueiras iluminadas e dois projetores neste espaço que foi revitalizado. Foram instaladas também mais oito luminárias um pouco mais à frente, na segunda parte do mirante, e ainda este ano a rua receberá LED em toda a sua extensão”.

Para a secretária adjunta de Turismo, Luciana Sagi, o destino Maceió tende a crescer ainda mais com espaços iguais ao mirante. “O nosso objetivo é apoiar a divulgação desse espaço para a visitação do local, tanto para a observação da cidade como para ponto turístico, além de divulgar a nossa arte e artistas alagoanos. É um mirante diferente de todos os outros, com um espaço lúdico, com uma bela intervenção urbana, tudo isso chama a atenção

 

do turista pelo simples fato de fugir do comum, agregando valor ao local e a cidade”.

Prefeitura de Maceió

Fonte: Prefeito entrega revitalização do Mirante Santa Terezinha – Prefeitura de Maceió 

City beautiful paper City beautiful paper

Beautiful Economic Features of Public Landscaping in City Beautiful
By
Emilson Caputo Delfino Silva And
Adriana Marasca
Department of Marketing, Business Economics & Law, University of Alberta

Abstrato

O movimento Cidade Bonita que aconteceu em Chicago, em 1893, durante a Exposição Colombiana- World’s Columbian Exposition foi  de
grande alcance e da inspiração na area artística, arquitetônico, social, político e econômico. Entre os aspectos artísticos e arquitetonicos do Movimento Cidade Bonita, a  alta qualidade paisagismo público foi de suma importância.
Quanto a  lógica econômica por trás do movimento, encontramos o pensamento que uma bela cidade deveria aumenta a satisfação de seus moradores , portanto, o aumento dos valores dos imoveis, bem como expande os negócios da cidade, com aumento das vendas  de bens e serviços da cidade para os clientes local  turistas.

Lógica econômica por trás do movimento Cidade Bonita

Este artigo analisa a lógica econômica por trás do movimento Cidade Bonita . Consideramos um Economia “regional”, que consiste de duas cidades adjacentes, que são idênticas em muitos de seus atributos, como o tamanho de suas populações. Construímos um modelo de equilíbrio geral para os agentes (consumidores e produtores) nesta economia e demonstramos que a lógica econômica por trás do  Cidade Bonita  e forte.

A riqueza e bem-estar de cada cidade são proporcionais ao seu nível de qualidade e qualidade de uma cidade é proporcional ao  nível de qualidade do paisagismo público da cidade.

 Abstract
City beautiful was a movement of great reach and inspiration, which apparently, was initiated in Chicago in 1893 during the World’s Columbian Exposition. The movement’s premises were artistic, architectural, social, political and economic. Among the artistic and architectural aspects of the city beautiful movement, the provision of high quality public landscaping was of paramount importance. As for the economic rationale behind the movement, we encounter the thinking that a beautiful city should increase its residents’ enjoyment of the city’s attributes and hence attachment to the city, raise real estate values as well as expand city business, with larger sales of city goods and services to local and touristic customers.
This paper examines the economic rationale behind the city beautiful movement. We consider a “regional”economy consisting of two adjacent cities, which are identical in many of its attributes, such as
the sizes of their populations. We build a general equilibrium model for the agents (consumers and producers) in this economy and demonstrate that the economic rationale behind the city beautiful
movement is sound. Each city’s wealth and welfare are proportional to its quality level and a city’s quality level is proportional to the city’s public landscaping quality.

Calçadas residenciais permeáveis

calcada permeavel
calcada permeavel

CALÇADAS RESIDENCIAIS e responsabilidade

As CALÇADAS RESIDENCIAIS são de responsabilidade do proprietário do imóvel estão sob pena de multa se não cumprirem o padrão arquitetônico da sua cidade com normas de acessibilidade.

 CALÇ

calcada permeavel2
calcada permeavel

ADAS provocam inundações

calcada permeavel4
calcada permeavel

Apesar de concreto durar muito tempo – a criação de  pátios, calçadas e estradas, além de fundações para casas – a produção de concreto gasta um monte de energia. E esse não é o único problema com o concreto:  a chuva não escoa para o solo. Como a chuva que se acumula e água começa a fluir fora do concreto, que pode criar problemas. Mas os materiais já estão disponíveis para fornecer uma base sólida e ainda permitir que a água escoe completamente.

calcada permeavel1
calcada permeavel

A água subterrânea é uma fonte de água potável. Além disso, nutre as plantas enraizadas e árvores. Alimentados pela chuva, a água subterrânea tem se tornado um recurso ameaçado, em parte por causa dos materiais impermeáveis usadas em novos desenvolvimentos e em torno de cidades e vilas. Telhados, estradas e pistas, estacionamentos, calçadas, calçadas, pátios e quadras de tênis impedir a água de superfície de infiltração no solo.

calcada permeavel de borracha reciclada
calcada permeavel de borracha reciclada

Estas superfícies impermeáveis, muitas vezes desviam a água em galerias pluviais e em córregos. A torrente de água pode resultar em inundações onerosa e por vezes fatai

s. O escoamento superficial também carrega poluentes tóxicos, tais como produtos químicos e óleo de calçadas e estacionamentos, em rios, lagos e represas, onde polui a água potável e causa danos.aos animais selvagens

Outro problema causado pela pavimentação é o acúmulo de calor e em torno de cidades e vilas. Asfalto e concreto absorvem a luz solar e convertê-la em calor. O acúmulo de calor extra em torno de cidades e vilas é conhecido como o “efeito de ilha de calor”.


CALÇADAS RESIDENCIAIS PERMEÁVEIS

Da próxima vez que você construir um pátio, a passagem, o espaço de estacionamento ou garagem, pode resolver estes problemas através da instalação de materiais permeáveis, alguns dos quais permitem a grama crescer neles. Muitas opções atraentes permitirá a água escorrer para o chão. Alguns chegam a reduzir a acumulação de calor em torno dos edifícios.

Quais são suas opções?


• Piso de blocos intertravados drenantes de concreto ou pisograma, da Glasser.
CALÇADAS RESIDENCIAIS PERMEÁVEIS
OPÇÕES DE MATERIAIS

• Placa pré-moldada drenante de concreto e fibras naturais. Piso de blocos drenantes de concreto e borracha de pneu reciclado, da Braston.

• Placa pré-moldada drenante feita 100% de borracha de pneu reciclada, da Piso Leve.

• Piso drenante fabricado com 82% de material reciclado, descarte de indústria cerâmica e cimento, da Gyotoku.

Antes de comprar, certifique-se de que os pisos atendem às normas da Associação Brasileira
de Normas Técnicas (ABNT).

Para pátios ou passeios, considere a instalação de pavers de concreto permeável. Os pavers são sólidos, mas se eles estão espaçados corretamente, drenos de água entre eles. Pavers são
colocados sobre um leito de areia ou cascalho, que filtra a água antes que ela se infiltra no solo. pavimento permeável são feitas de betão ou de pedra cortados e estão disponíveis em diversos estilos.

Calçadas interessantes

A calçada mais interessante e aquela que nao tem barreiras fisicas para cadeirantes, com rampas, sem obstáculos, dentes, inclinações exageradas,desniveis, buracos, irregularidades ou pisos difíceis de percorrer…
rampa inclinacao1rampas inclinacoes
acessibilidade
acessibilidade

Mas se você quer ver algumas ideias interessantes com:

Grama e concreto, concreto estampado, colorido, blocos de concreto, pavers de concreto, passarela de concreto, bloco de concreto e seixos rolados

Concreto  com borda de pedra
Concreto com  ardósia
Concreto de dois tons
Concreto estampado com cores

Destino do lixo

O Brasil produz, atualmente, cerca de 228,4 mil toneladas de lixo por dia, segundo a última pesquisa de saneamento básico consolidada pelo IBGE, em 2000. O chamado lixo domiciliar equivale a pouco mais da metade desse volume, ou 125 mil toneladas diárias.

Do total de resíduos descartados em residências e indústrias, apenas 4.300 toneladas, ou aproximadamente 2% do total, são destinadas à coleta seletiva. Quase 50 mil toneladas de resíduos são despejados todos os dias em lixões a céu aberto, o que representa um risco à saúde e ao ambiente.

Mudar esse cenário envolve a redução de padrões sociais de consumo, a reutilização dos materiais e a reciclagem, conforme a “Regra dos Três Erres” preconizada pelos ambientalistas.
A idéia é diminuir o volume de lixo de difícil decomposição, como vidro e plástico, evitar a poluição do ar e da água, otimizar recursos e aumentar a vida útil dos aterros.
Tempo de decomposição dos resíduos
Tempo de decomposição dos resíduos
Coleta Seletiva

Veja abaixo quais os tipos de lixo que podem ser reciclados:
DESTINO

PAPEL

PLÁSTICO

VIDROS

METAIS
COLETA SELETIVA
papéis de escritório, papelão, caixas em geral, jornais, revistas, livros, listas telefônicas, cadernos, papel cartão, cartolinas, embalagens longa vida, listas telefônicas, livros sacos, CDs, disquetes, embalagens de produtos de limpeza, PET (como garrafas de refrigerante), canos e tubos, plásticos em geral (retire antes o excesso de sujeira) garrafas de bebida, frascos em geral, potes de produtos alimentícios, copos (retire antes o excesso de sujeira) latas de alumínio (refrigerante, cerveja, suco), latas de produtos alimentícios (óleo, leite em pó, conservas), tampas de garrafa, embalagens metálicas de congelados, folhas-de-flandres
LIXO COMUM
papel carbono, celofane, papel vegetal, termofax, papéis encerados ou palstificados, papel higiênico, lenços de papel, guardanapos, fotografias, fitas ou etiquetas adesivas plásticos termofixos (usados na indústria eletroeletrônica e na produção de alguns computadores, telefones e eletrodomésticos), embalagens plásticas metalizadas (como as de salgadinhos) espelhos, cristais, vidros de janelas, vidros de automóveis, lâmpadas, ampolas de medicamentos, cerâmicas, porcelanas, tubos de TV e de computadores clipes, grampos, esponjas de aço, tachinhas, pregos e canos

Fonte: Instituto Akatu

Caso não haja coleta seletiva em seu bairro ou condomínio, procure as cooperativas de catadores e os Postos de Entrega Voluntária (PEVs).

O Grupo Pão de Açúcar também possui pontos de coleta nos supermercados em todo o país. A iniciativa está sendo ampliada para outras bandeiras do grupo, como a rede Extra.
Consumo Consciente

Algumas atitudes simples podem fazer a diferença no volume de lixo produzido. Além de preservar o ambiente, mudar certos padrões de consumo também traz benefícios para o seu bolso.
Eletrodomésticos e eletrônicos

Ao substituir computadores, eletrodomésticos e celulares, lembre-se que conhecidos, instituições de ensino, ONGs e bazares beneficentes podem se beneficiar desse material.

Saiba para onde enviar PCs e celulares antigos
Lixo orgânico

Se você tem plantas em casa, transforme o lixo orgânico em adubo. Acomode o resto de comida em um recipiente, revolva e umedeça o material e adicione serragem ou folhas secas. O adubo é obtido após dois ou três meses. Se houver cheiro desagradável por causa da decomposição, jogue cal, que corrige o processo de acidificação. Caso você more em apartamento e por isso não tenha espaço para colocar o recipiente, reúna-se com seus vizinhos e monte, com eles, uma composteira na parte externa do prédio.
Papel

Prefira usar papel reciclado. Cada brasileiro gasta, em média, duas árvores com o papel que utiliza anualmente. Se esse papel fosse reutilizado ou enviado para reciclagem, a cada ano, uma árvore e meia seria poupada. Também seriam economizados 2.000 litros de água e 120 litros de petróleo. Caso 10 milhões de brasileiros fizessem o mesmo, 15 milhões de árvores seriam poupadas, além de uma quantidade de água suficiente para abastecer uma cidade com 200 mil habitantes e 1,2 bilhão de litros de petróleo.
Tinta para impressão

Cada cartucho de tinta requer o uso de cinco litros de petróleo em sua fabricação e demora cerca de 50 anos para se degradar na natureza. Por isso, vale a pena usar cartuchos reciclados.
Embalagens

Ao comprar produtos não-perecíveis, dê preferência às embalagens maiores ou a granel, assim como às linhas que contam com refil. E lembre-se que sempre é possível fazer novo uso de embalagens PET e frascos de vidro, antes de descartá-los.

No futuro, os chamados bioplásticos � plásticos obtidos a partir da cana-de-açúcar e de outras substâncias de origem vegetal � deverão substituir as embalagens existentes. Eles possuem a vantagem de ser provenientes de fontes renováveis. Enquanto isso não ocorre, trocar os sacos de plástico pelos de papel é uma opção.
Desodorante pessoal e de ambiente

O mercado ainda fabrica alguns desodorantes em aerossol que emitem clorofluorcarbono � CFC � um gás que destrói a camada de ozônio (responsável pela filtragem de raios solares nocivos à saúde, como o ultravioleta). Portanto, repare se o rótulo contém a frase �sem CFC�.
Detergente

Utilize sempre produtos de limpeza biodegradáveis, ou seja, que podem ser destruídos pelos microorganismos existentes na água. Ao adquirir produtos químicos, verifique se a embalagem é reciclável e se o rótulo possui informações sobre a composição química e o fabricante. Evite produtos com cloro, formaldeído e solventes derivados de petróleo (tricloroetileno, metileno, benzeno, nitro-benzeno etc), que podem poluir o solo, o ar e a água.

Grande parte dos detergentes disponíveis no mercado também possui fosfatos em sua formulação, substâncias que, ao atingir rios e lagos, levam ao crescimento exagerado de algas que consomem o oxigênio da água. Aos poucos, os fosfatos vêm sendo substituídos por carbonato e silicato de sódio, menos nocivos ao ambiente.

Uma alternativa ecológica ao detergente é usar o sabão em pedra dissolvido previamente em água quente. O produto é atóxico, fabricado a partir de matérias-primas renováveis (óleos e gorduras) e biodegradável.
Receita de detergente ecológico
Água sanitária

A água sanitária é composta de cloro, substância que ameaça animais e microorganismos presentes no solo e nos rios, onde é despejada. Procure trocar o produto pelo vinagre (que ajuda a desengordurar) e bicarbonato de sódio. Se o objetivo for branquear suas roupas, deixe-as ensaboadas com sabão de coco no sol, ou coloque-as de molho na água com meio copo de bórax (substância atóxica encontrada em farmácias).
Sabão em pó

Quanto maior o efeito branqueador do sabão em pó, maior o dano à natureza. Também possui fósforo em sua composição, para neutralizar o cálcio e o magnésio e melhorar a sua eficiência. Prefira o sabão em pó de coco, ou as marcas que não contêm fosfatos.
Desinfetante

A maioria dos desinfetantes tem efeito tóxico para o meio ambiente. Você pode fazer um produto natural para limpar seu banheiro.
Receita de desinfetante

SÃO PAULO (SP)
PEV Parque da Luz
Rua Ribeiro de Lima, nº 99 � Luz
PEV CEE Vila Maria
Pç. Pres. Jânio da Silva Quadros, nº 15 � Vila Maria
PEV Limpurb
Rua Azurita, 100 � Canindé
RIO DE JANEIRO (RJ)
Nova Iguaçu
Avenida Roberto Silveira s/nº � Rod. Nova Iguaçu
Santa Cruz
Estrada Padre Guilherme Decaminada, nº 2.165
São Cristóvão
Rua São Januário, nº 355
BELO HORIZONTE (MG)
Posto Vip
Avenida Prudente de Morais, nº 303 � Cidade Jardim
Universidade Fumec
Rua Cobre, nº 200 � Cruzeiro
CAC Havaí
Rua Costa do Marfim, nº 480 � Havaí
BRASÍLIA (DF)
CORTRAP � Cooperativa de Reciclagem e Produção
(61) 347-1117 / 347-1162
Contato: Sueli Vieira
GOIÂNIA (GO)
COOPREC – Cooperativa de Reciclagem de Lixo
Travessa Xingu c/ Rua 202, s/nº � Jardim Conquista
Tel: (62) 3208-4340
CAMPO GRANDE (MS)
COOPERVIDA � Cooperativa dos Agentes Recicladores
Avenida Ernesto Geisel, nº 3.915
Tel: (67) 783-6392
PORTO ALEGRE (RS)
Belém Novo
Rua Desembargador Melo Guimarães, nº 12
Brique da Redenção
Avenida José Bonifácio (aos domingos)
Câncio Gomes
Travessa Carmem, nº 111
CURITIBA
Secretaria Municipal do Meio Ambiente
Tel: 0/XX/41 350-9178
Instituto de Saneamento Ambiental
Tel: 0/XX/41 330-1788
SALVADOR
CAEC � Cooperativa de Catadores Agentes Ecológicos
Rua da Mauritânia, s/nº � Pirajá
0/XX/71 3391-2988
E-mail: cooperativacaec@yahoo.com.br
RECIFE
Grupo Gerdau
Rodovia BR 232, Km 12,7 � Distrito Industrial de Curado
Tel: 0/XX/81 3452-7311 / Fax: 0/XX/81 3452-7333
Só Sucatas
Rua Siqueira Campos, nº 266 � Zumbi
Tel: 0/XX/81 228-6774
FORTALEZA
SOCRELP � Sociedade Recicladora Pirambu
Rua São Serafim 8A � Pirambu
Tel: 0/XX/85 3283-5014
E-mail: socrelt@bol.com.br

fonte

Como fazer concreto poroso / permeável

//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({
google_ad_client: “ca-pub-1534937143690789”,
enable_page_level_ads: true
});
Como fazer concreto poroso / permeável
Se você tem uma casa e gostaria de fazer uma pequena área de concreto permeável, também conhecido como concreto poroso, você vai ter que fazer a sua própria combinação, porque o concreto permeável não está disponível no mercado ainda. Felizmente os ingredientes básicos para concreto permeável são simples. Eles são os mesmos do concreto normal, pedra, areia, cimento e água, mas menos a areia.

A mistura básica do concreto permeável é:

3 volumes de pedras, 1 volume de cimento a granel, água apenas o suficiente

A rocha é geralmente a 08/03” de cascalho que deve estar disponível no solo do seu jardim. Mas naverdade, contanto que esteja limpa, quase nenhuma pedra vai fazer diferença ou um pouco de sujeira e areia fina no concreto. Tanto as pedras redondas quanto as angulares servem. Por motivos estéticos quanto menor a pedra mais agradável o produto final ficará. Entretanto, uma palavra de cautela aqui, porque quanto menor for a rocha, mais angular e / ou uniforme em tamanho o seu
concreto precisa ser ou não será permeável. Nós dominamos esse processo com o nosso ™ PrettyPervious.

Como fazer concreto poroso / permeável
A parte de cimento se refere a qualquer tipo de cimento Portland, tipo I-II, tipo III-V, etc. Você consegue obtê-lo em qualquer loja de material de construção. Quando você estiver preenchendo o recipiente, não embale o cimento ou você vai acabar com muito cimento compactado na sua mistura.

A porção de água é a parte mais complicada de se acertar na sua mistura de concreto permeável. Não se sinta mal se você tiver que tentar uma ou duas vezes para pegar o jeito da quantidade certa de água, porque até mesmo os profissionais têm certa dificuldade nessa etapa. Ao contrário do concreto regular, a quantidade correta de água a adicionar ao concreto permeável está dentro de uma faixa muito estreita, se você adicionar um pouco mais você pode acabar com concreto impermeável e se você adicionar muito pouco você pode ter rochas soltas sobre
a superfície. A regra geral para saber se a quantidade de água está correta é fazer uma bola (usando luvas, claro) e a bola deve ter uma boa consistência e se manter na forma de bola.Nota: Se, inicialmente, a pedra for bastante úmida, você provavelmente terá que adicionar pouca água à mistura.

Quando misturamos o concreto permeável com a mão, melhor estar sempre na sombra. O concreto poroso é muito sensível à umidade e uma vez que você trabalhou tão duro para conseguir que a umidade certa, você não vai querer que ele seque antes de você ter a chance de terminar de assentá-lo. Novamente, o concreto permeável não é como o concreto regular, o permeável secará muito rápido e você geralmente não pode reidratá-lo (adicionar água) para trazer de volta a umidade
como você pode para o concreto normal.
Você ja sabe como fazer o seu próprio concreto poroso/permeável, volte mais tarde para descobrir como assentar e curá-lo.

Pavimento de concreto Pervious é um meio eficaz para resolver importantes questões ambientais e apoiar o crescimento sustentável. Ao captar água da chuva , permitindo que ela infiltre no solo, concreto poroso é fundamental para a recarga das águas subterrâneas, reduzindo o escoamento de águas pluviais,.A utilização do concreto permeável está entre as melhores práticas de gestão (BMPs) recomendado pela EPA e por outras agências e engenheiros geotécnicos em todo o país para a gestão de águas pluviais em uma base regional e local. Esta tecnologia elimina a necessidade de tanques de retenção, valas e outros dispositivos de gerenciamento de águas pluviais.

Laudo de Acustica – Fim do barulho no condomínio?

Desde o final de maio de 2010, a construção de imóveis residenciais de até cinco andares devem obedecer à norma técnica 15.575 da ABNT, que estabelece padrões mínimos de qualidade às edificações, principalmente em relação a isolamento acústico e térmico. Objeto de discussão no setor da construção civil, a normativa será uma ferramenta legal para que os consumidores tenham a confiança de que os sistemas que compõem os edifícios atendam a requisitos mínimos de desempenho ao longo de uma determinada vida útil. Na entrevista abaixo, o doutor em Acústica e Vibrações, Vítor Litwinczik fala sobre as principais mudanças que a norma vai trazer em relação a um dos maiores problemas em condomínios: o barulho.
Qual o diferencial dessa norma?

Pela primeira vez uma norma trata de desempenho acústico de construções. Hoje é possível especificar o desempenho de paredes e pisos, por exemplo, e encontrar o culpado pelo ruído entrar no apartamento.

Como as construtoras estão se comportando em relação à norma?

Há uma preocupação grande em se adequar. As construtoras terão que se atualizar nas formas de especificar os materiais e na melhoria da qualidade dos empreendimentos. A norma, por si, não resolverá todos os problemas quanto ao conforto acústico em ambientes, até porque não é uma lei, mas acredito que levando em consideração certificações internacionais, as empresas do setor deverão seguir as determinações. E os profissionais que trabalham nessa área precisam estar muito bem informados.

Por ser uma norma, e não uma lei, é passível de cobrança?

Sim, a norma pode ser cobrada pelo consumidor. Se ele se sentir incomodado com o barulho do vizinho, por exemplo. É importante que o edifício siga um padrão mínimo e que esteja escrito em algum lugar, dizendo que o edifício segue a norma. Ela nomeia todos os responsáveis, por cada coisa. Basta entrar em contato com a construtora e comunicar o problema, ver como resolver. A principal preocupação da acústica ideal é com o sono: precisa ter um ambiente que permite o descanso, pois isso influencia diretamente no estresse, no humor da pessoa. O conforto acústico interfere diretamente na saúde do morador.

A norma se adequa também aos projetos populares, como os do programa “Minha Casa, Minha Vida”?

Sim. Ela foi feita pensando em iniciativas populares, de até cinco pavimentos. As obras com financiamento da Caixa já atendem às regras. A norma não vale para imóveis já construídos.

Existe uma pré-determinação de materiais?

Não há preocupação com os materiais, mas sim com o desempenho que eles vão ter. Isso deixa o construtor livre para usar qualquer material, desde que atenda a norma e garanta o conforto acústico.

Existe indicação de que o projeto vai ficar mais caro para se adequar à norma?

Se a construtora já vinha seguindo as outras normas, não vai mudar muito em termos de custo. Será mais caro para quem não seguia, mas não sei quantificar.

A norma é aplicada em outros tipos de edifícios, mais altos, por exemplo?

Se o problema não estiver associado à altura, a norma pode ser aplicada também em prédios com mais de cinco andares. Se a pessoa mora no 10º andar e o barulho do vizinho do lado incomoda, tem um problema independente de altura, por exemplo. A norma vale para este caso.

Entenda a norma

O que prevê a norma: padrões mínimos de qualidade na estrutura do prédio, que são: instalações hidrossanitárias, fachadas e coberturas

Vale para que tipo de empreendimento: unidades residenciais com até cinco pavimentos

Prazo: o conjunto de regras passa a ser obrigatória para todos os projetos que forem protocolados nas prefeituras a partir de 12 de novembro deste ano

Orientação para o comprador: O comprador vai ter que ser informado sobre a vida útil da edificação e como fazer a manutenção, que vai constar em manual elaborado pelas construtoras

Vida útil: Pela norma, pisos vão ter que durar pelo menos 13 anos; a estrutura 40 anos; e a cobertura e as instalações hidrossanitárias 20 anos

Fonte: A Gazetaonline

Quer controlar o nivel de ruidos pelo celular?

http://noisetube.net/download

Antes de abrir um comercio em Florianópolis, São Paulo, Rio de Janeiro, Vitória, Brasília é preciso pensar em uma Certidão de Tratamento Acústico.

A NBR 10.151 aponta os níveis de ruídos toleráveis nas áreas externas às edificações para garantir o conforto da comunidade, dependendo do período do dia. Em áreas estritamente residenciais o ruído não pode passar de 50 decibéis durante o dia e 45 à noite. Já nas áreas mistas com predominância residencial é de 55 dB (dia) e 50 dB (noite), mista com vocação comercial 60 dB (dia) e 50 dB (noite), e mista com predominância recreativa 65 dB (dia) e 55 dB (noite). Para verificar o nivel de ruido voce pode contar com um decibelimetro e mais recentemente com Apps em telefone celular como o Noise meter.

A falta da Certidão de Tratamento Acústico impede a liberação da licença de funcionamento e, em certos casos, implica em multa e até fechamento do bar, boate ou restaurante. Caso ocorram reclamações os fiscais da prefeitura têm o dever de realizar uma nova vistoria para verificar os resultados do documento emitido.

O laudo Acústico, ou Laudo de Ruído é um diagnóstico de como está o isolamento acústico do estabelecimento. Ele é realizado com base nas normas da ABNT e nas determinações da Lei Complementar;

O laudo de ruído deve ser elaborado por um profissional habilitado para esse fim. E mais importante que o laudo seja feito em condições normais de funcionamento da casa e no seu momento mais crítico, pois esse será o momento de maior incômodo para a comunidade.

Desde o final de maio, a construção de imóveis residenciais de até cinco andares devem obedecer à norma técnica 15.575 da ABNT, que estabelece padrões mínimos de qualidade às edificações, principalmente em relação a isolamento acústico e térmico. Objeto de discussão no setor da construção civil, a normativa será uma ferramenta legal para que os consumidores tenham a confiança de que os sistemas que compõem os edifícios atendam a requisitos mínimos de desempenho ao longo de uma determinada vida útil. Na entrevista abaixo, o doutor em Acústica e Vibrações, Vítor Litwinczik fala sobre as principais mudanças que a norma vai trazer em relação a um dos maiores problemas em condomínios: o barulho.

Se o consumidor se sentir incomodado com o barulho do vizinho, por exemplo. É importante que o edifício siga um padrão mínimo e que esteja escrito em algum lugar, dizendo que o edifício segue a norma. Ela nomeia todos os responsáveis, por cada coisa. Basta entrar em contato com a construtora e comunicar o problema, ver como resolver. A principal preocupação da acústica ideal é com o sono: precisa ter um ambiente que permite o descanso, pois isso influencia diretamente no estresse, no humor da pessoa. O conforto acústico interfere diretamente na saúde do morador.

Ela foi feita pensando em iniciativas populares, de até cinco pavimentos. As obras com financiamento da Caixa já atendem às regras. A norma não vale para imóveis já construídos.

Não há preocupação com os materiais, mas sim com o desempenho que eles vão ter. Isso deixa o construtor livre para usar qualquer material, desde que atenda a norma e garanta o conforto acústico.

Se a construtora já vinha seguindo as outras normas, não vai mudar muito em termos de custo. Será mais caro para quem não seguia, mas não sei quantificar.

Se o problema não estiver associado à altura, a norma pode ser aplicada também em prédios com mais de cinco andares. Se a pessoa mora no 10º andar e o barulho do vizinho do lado incomoda, tem um problema independente de altura, por exemplo. A norma vale para este caso.Fonte: A Gazetaonline

Acessibilidade Urbana em Brasilia

Ampliação e melhorias na via Estrutural
Implantação de acessibilidade em pontos de ônibus
Construção de 700 pontos de parada de ônibus, construção de abrigos em 1.200 pontos e implantação de 200 baias (recuos para paradas de ônibus)
Execução de terminais de ônibus e integração
Pavimentação asfáltica do condomínio Pôr-do-Sol

Se você se incapacitar fisicamente, ou tiver que usar cadeiras de rodas, um dos banheiros da sua casa necessariamente deve ser planejado para ter acessibilidade.
Pequenos detalhes que certamente vão adicionar valor na revenda de sua casa, porque obviamente a população esta envelhecendo.
Sumário de alguns pontos que do projeto você deve considerar:
As entradas devem ter um mínimo de 70cm de largura para acomodar cadeiras de rodas.
As portas devem ter no minimo 30 cm do lado para permitir a manobra da cadeira, e no caso de alguém cair no banheiro e obstruir a entrada.
O banheiro deve permitir um circulo de 1,50m, para permitir a cadeira de rodas uma volta de 360 graus.
Registros de chuveiro, válvula hidradevem estar a 1,00m de altura do piso.
Não deve apresentar desníveis maiores que 1,5cm para acesso ao box e o piso deve ser antiderrapante.

Se você for fazer a calçada de sua casa, estude bem as diferenças de nível para evitar criar barreiras com desníveis.

NBR 9050 :2004-Acessibilidade a edificações , mobiliário,espaços e equipamentos urbanos

6-Acessos e circulação

6.1-Circulação -Condições Gerais

6.1.1-Pisos
Os pisos devem ter superfície regular , firme , estável e antiderrapante sob qualquer condição, que não provoque trepidação em dispositivos com rodas (cadeiras de rodas ou carrinhos de bebes ).

Admite-se inclinação transversal da superfície até 2% para pisos internos e 3% para pisos externos e inclinação longitudinal máxima de 5% . Inclinações superiores a 5% são consideradas rampas e , portanto , devem atender a 6.4 .

Recomenda-se evitar a padronagem na superfície piso que possa causar sensação de insegurança (por exemplo , estampas que pelo constraste de cores possam causar a impressão de tridimensionalidade )

6.1.4-Desníveis
Desníveis de qualquer natureza devem ser evitados em rotas acessíveis .Eventuais desníveis no piso de até 5mm não demandam tratamento especial .

Desníveis superiores a 5mm até 15 mm devem ser tratados em forma de rampa , com inclinação máxima de 1v:2h , conforme figura 76 .

Desníveis superiores a 15 mm devem ser considerados como degraus e ser sinalizados conforme a figura 63 .

6.2-Acessos -Condições gerais

6.2.1-Nas edificações e equipamentos urbanos TODAS as entradas devem ser acessíveis , bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício

6.2.3-O percurso entre o estacionamento de veículos e as entradas principais deve compor uma rota acessível .Qdo da impraticalidade de se executar rota acessível entre estacionamento e as entradas acessíveis , devem ser previstas vagas de estacionamentos exclusivas para as pessoas com deficiência física , interligadas às entradas através de rota acessível .
Fonte : ABNT