Arquivo da categoria: sustentabilidade

Projeto em Tijolo ecologico de sobrado em terreno inclinado

Anúncios

Parcerias entre o público e o privado são receita de sucesso no urbanismo!

Adoção do Mirante Santa Terezinha, no bairro do Farol. O mirante foi totalmente revitalizado pelo programa de adoção de áreas públicas, o projeto é da Prefeitura de Maceió e é realizado por intermédio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável (Semds). A adoção de espaços públicos é formado através de convênios entre empresas da iniciativa privada e a Prefeitura.

De encontro com essa ideia Emilson C D Silva publicou um artigo cientifico do Movimento Cidade Bonita explicando a  lógica econômica por trás do movimento, encontramos o pensamento que uma bela cidade deveria aumenta a satisfação de seus moradores , portanto, o aumento dos valores dos imoveis, bem como expande os negócios da cidade, com aumento das vendas  de bens e serviços da cidade para os clientes locais e  turistas. Como exemplo disso foi a construcao do Parque Millenium , uma parceria entre o publico e privado. que valorizou em 10 mil dolares o m2 dos imoveis na regiao.

“Maceió está ganhando mais um ponto turístico, com uma nova iluminação em LED e que virou uma obra de arte através do projeto da Ana Maia e da Rosa Piatti, duas designers que levam o nome de Maceió e de Alagoas para o Brasil inteiro e alguns países com suas obras de arte. Quem vier ao Mirante Santa Terezinha irá deslumbrar de uma bela vista e de uma belíssima obra de arte”, destacou o prefeito Rui Palmeira.

O titular da Semds, Gustavo Acioli, comentou a importância de parcerias na adoção de espaços públicos. “Essa é a primeira adoção de um mirante em Maceió e vemos que deu muito certo, este espaço merecia uma transformação. Estamos buscando revitalizar alguns mirantes da capital e nada melhor que uma parceria para realizar uma intervenção urbana como esta, onde o maceioense poderá vir aqui e desfrutar de uma bela paisagem e

de arte, agora, temos que cuidar desse belíssimo espaço que irá receber turistas e servir para a realização de eventos culturais “, pontuou o gestor.

A arquiteta, designer e artista plástica Ana Maia explicou como surgiu a ideia de adoção do mirante. “A ideia surgiu há dois anos quando decidi montar o atelier aqui no bairro, mas vi que a área estava abandonada. A partir daí tomei a decisão que não adianta ficar trancada dentro do escritório e não interagir com o bairro, principalmente aqui, onde temos um belíssimo visual. Abracei a causa, me informei, procurei quem poderia me guiar nessa jornada e fui atrás. Após algumas conversas co

m a Prefeitura, construímos o projeto de adoção da área que foi acolhido pela Semds e por nós realizado. Fico muito feliz em ver que um local que estava ‘morto’, agora, chama a atenção de todos que passam pela região e em ver também que os vizinhos estão contente com a revitalização do mirante“, disse Ana Maia.

O mirante também recebeu ações da Superintendência Municipal de Energia e Iluminação Pública (Sima), é o que explica o diretor técnico do órgão, Luis Casado. “Implantamos sete luminárias em LED, três postes de metal, 45 metros de mangueiras iluminadas e dois projetores neste espaço que foi revitalizado. Foram instaladas também mais oito luminárias um pouco mais à frente, na segunda parte do mirante, e ainda este ano a rua receberá LED em toda a sua extensão”.

Para a secretária adjunta de Turismo, Luciana Sagi, o destino Maceió tende a crescer ainda mais com espaços iguais ao mirante. “O nosso objetivo é apoiar a divulgação desse espaço para a visitação do local, tanto para a observação da cidade como para ponto turístico, além de divulgar a nossa arte e artistas alagoanos. É um mirante diferente de todos os outros, com um espaço lúdico, com uma bela intervenção urbana, tudo isso chama a atenção

 

do turista pelo simples fato de fugir do comum, agregando valor ao local e a cidade”.

Prefeitura de Maceió

Fonte: Prefeito entrega revitalização do Mirante Santa Terezinha – Prefeitura de Maceió 

Janelas eficientes de vidros duplos

Os prós e contras da energia janelas eficientes

Janelas de energia eficiente pode ser uma ótima maneira de poupar dinheiro em conta de luz a cada mês. Isso parece um grande negócio, mas tudo tem um preço, então o que são exatamente os prós e contras de janelas de energia eficiente? Janelas mudaram muito ao longo da última década. janelas eficientes de hoje são pulverizados com um revestimento metálico translúcido que reflete mais da metade dos raios UV prejudiciais do sol volta ao ar livre enquanto ainda permitindo que quase todos a luz natural do sol para brilhar. Um quarto com janelas com proteção UV não é mais um lugar sombrio ou escuro.

Aqui estão algumas das vantagens de janelas de energia eficiente:

Poupar dinheiro: Mesmo um vidro transparente, vinil de vidros duplos ou janela com estrutura em madeira pode reduzir o uso de energia em até 24 por cento em climas frios durante o inverno, e em até 18 por cento em climas quentes durante o verão, quando comparado a janelas simpels
.
Qualidade economiza ainda mais: Você pode esperar economias de energia de qualquer lugar de 30 a 50 por cento, dependendo se você escolher janelas eficientes em termos energéticos médios ou topo dos modelos de linha.
Eles ajudar o meio ambiente: A redução no uso de energia não significa apenas que você economizar dinheiro, isso também significa que você está queimando menos combustível fóssil e criando menos emissões de gases de efeito estufa.
Elas Isolam a sua casa de ruído: janelas de vidro duplo reduzir significativamente a poluição sonora ao ar livre. janelas com revestimento duplo pode ser um investimento valioso no conforto ambiental e ter paz e tranquilidade, especialmente em áreas urbanas ocupadas.
E, aqui estão alguns dos contras de janelas de energia eficiente:

Você terá que substituí-los todos: Substituir janelas individuais em vez de atualizar a casa ou andares inteiros não vai resultar em poupanças de energia pretendidos. Janelas antigas vao vazar ar mesmo se você instalar um um revestimento duplo. poupança de energia desejado irá provavelmente resultar na compra de muitas janelas de cada vez.

Você paga pela qualidade:  Espacos de selo indevidamente vidro, janelas mal fabricados ou janelas que não, pode negar a poupança de energia e até mesmo levar a outros problemas, como a condensação de desenvolvimento entre os painéis. Qualidade é fundamental, e, geralmente, tem um preço mais elevado

Uma casa solar inspirada numa papoula sera o futuro das casas resistentes a seca?

Estudantes da Califórnia trabalhar no modelo de casa Casa do Sol, um dos 17 projetos do Departamento de Energia Solar Decathlon de 2015 dos EUA, que desafia equipes de estudantes de design a preços acessíveis , energia eficientes casas com energia solar para o futuro. casa sustentavel Cerca de uma centena de estudantes esperam que a casa modelo solar e tolerante à seca de inspiração papoula vai se tornar o que casas na Califórnia futuro será semelhante.

A competição bienal desafia equipes de estudantes para projetar e construir, energia eficiente casas com energia solar que são acessíveis e esteticamente atraentes. As casas também deve ser capaz de carregar um carro elétrico.”É tolerante à seca”. “Nós realmente quis projetar uma casa que entende e respeita a seca que estamos, e é também diurna, na medida em que se abre para o sol durante o dia e se fecha acima na noite. aproximadamente casa de 200 m2 quadrados que possui um espaço ao ar livre de estar com um teto de tela retrátil, um trabalho galpão e dois chuveiros ao ar livre “surfista” .  Porque a casa está situado regionalmente, painéis de articulação na sala de estar ao ar livre permitem que a brisa do mar do sul a fluir através do espaço. Dois tanques em ambos os lados da casa captar água cinzenta para o paisagismo do jardim vertical na frente. Barris de chuva também estão incluídos.

Colectores solares tubulares sobre o telhado para permitir que o sol para aquecer a água que corre através do tubo, o qual pode mais tarde ser utilizados para fins domésticos..”Dentro da casa, a cerca de 100 m2 quadrados de área com ar-condicionado, inclui uma cozinha completa, sala de estar e quarto principal com uma banheira.Paige Svehlak, 24, um estudante arquiteto Saddleback Colégio interior, disse que a equipe também acrescentou um estúdio quartos com ar condicionado, uma kitchenette e casa de banho para fazer a casa multi-geracional para adultos jovens e familiares idosos que vivem juntos.”Ele também pode ser usado por um locatário”, .”Painéis solares telhado cobrar diretamente da casa e um carro elétrico usando um inversor AC / Ele disse que o modelo de casa produz cerca de 17 kilowatts por dia; um lar americano típico usa cerca de 30 kilowatts por dia.McDonald disse que os custos de pesquisa e design acadêmicos da casa são cerca de US $ 1 milhão, mas ele estima casas subseqüentes custaria US $ 350.000 para construir.

“E a resposta é esta é uma casa one-up. Planos estão on-line. “Wagoner disse, usando uma fundação radier e remoção de todo o aço utilizado no modelo de casa, a casa poderia ser construído por cerca de $ 100,000 ou menos.Os alunos têm nove dias para remontar o modelo de casa com energia solar a partir de 08 de outubro  em Irvine. Dezessete outras equipes – muitos de outras universidades e faculdades Califórnia – estão competindo.

Falar mal da Coca-Cola ou parar de beber e fácil, quero ver e seguir o exemplo!

Coca-Cola inaugura projeto sustentável no litoral paulista
Postado em 7 de janeiro de 2015 por Redação
projeto sustentavel

projeto sustentavel

A Coca-Cola inicia, nesta quinta-feira (08), o projeto ‘Coca-Cola Verdes Ventos’ no litoral de São Paulo. Foi montada uma Beach Club sustentável de 3.400 m² nas areias de Maresias com diversas funções: coleta de lixo reciclável, distribuição de recipientes para bituca de cigarro, composteira elétrica para decomposição de materiais orgânicos e produção de adubo, reuso da água da chuva, equipe de limpeza para orientar os frequentadores e utilização de material que não agride o meio ambiente.

O projeto, concebido pela consultoria Reciclagem e executado pela LCP Engenharia, terá espaço para foodtrucks e bicicletário com aluguel de bicicletas; além de oferecer aulas de crossfit, surf, stand up padle, futevôlei e palestras sobre meio ambiente. O Beach Club funcionará até o dia 22 de fevereiro.

O projeto complementa a campanha que a Coca-Cola lançou no fim de 2014, que convida as pessoas a compartilhar a bebida com os amigos; quem afirma isso é Luciano Sá, gerente de publicidade e eventos da Coca-Cola Femsa Brasil.

Apartamentos sustentaveis para a classe média

PROJETO SOBRADO SUSTENTAVEL - PLANTA BAIXA

Apartamentos residenciais

Reduzir o  impacto no meio ambiente com economia é preocupação de todos

Fonte:correiobraziliense

PLANTA BAIXA PAVIMENTO MOBILIADA

Apartamentos residenciais

Um empreendimento em São Paulo promete revolucionar o mercado de moradia para classe média. Localizado no bairro do Tatuapé, o conjunto residencial acaba de ser certificado com o selo AQUA-HQE, emitido pela Fundação Vanzolini com assessoria da proActive Consultoria – empresa es pecializada em construções sustentáveis.Investimentos com as ações sustentáveis, custam em média de 1% a 3% mais e são amortizados e até mesmo revertidos, através da implantação do canteiro de obras com preocupações ecológicas, que garante agilidade e economia durante a construção.

Apartamentos residenciais com metragem variando entre 42 a 71 m² são tipicamente destinados à classe média. Soluções que tornam o empreendimento sustentável devem ser adotadas ainda durante a construção.

PROJETO CASAS GEMINADAS SUSTENTAVEL -  PLANTA BAIXA PAVIMENTO TERREO

Apartamentos residenciais

Para receber o certificado buscou usar produtos fabricados o mais próximo possível da obra, minimizando impactos com o transporte e otimizando os prazos de construção. Adotou  pinturas com tintas e solventes a base de água, a fim de minimizar a emissão de poluentes. Também instalou uma série de equipamentos que permitirá economizar luz e água, ainda mais agora, nessa fase tão crítica que a cidade paulista passa com a crise hídrica.

PROJETO CASAS GEMINADAS SUSTENTAVEL -

Apartamentos residenciais

A construção ainda possui sistemas de medição de água individualizados e economizadores e restritores de vazão, o que evita desperdícios e reduz de consumo de água potável. Sensores de movimento para economizar energia e bombas, elevadores e ar condicionado, que limitem o consumo de energia e contenham o nível A do Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica). Outra solução que ajuda a reduzir e muito o consumo de energia foi o tratamento térmico da laje.

Ana Rocha Melhado,engenheira civil da consultoria proActive e pós-doutora em Projetos e Construção de Bairros Sustentáveis pelo Departamento de Engenharia de Produção da Universidade de São Paulo (USP), explica que “quando osprojetos certificados começaram a ser comprados, as construtoras viam esse tipo de investimento como custo adicional. O investimento feito a curto prazo pode até ser mais alto, mas ele é recuperado na velocidade de venda das unidades, além de reduzir em até 10% os gastos em um condomínio, em razão de projetos de eficiência energética e reuso de água.”

A certificação AQUA-HQE, de origem francesa, foi adaptada ao Brasil pela Fundação Vanzolini e é a maior chancela de sustentabilidade para a construção civil do país. O resultado dessa certificação foi garantir uma construção com menor impacto possível na natureza durante as obras e os mais altos padrões de sustentabilidade atendidos nos 14 itens de desempenho exigidos e para viabilizar e conseguir que o empreendimento siga todos esses requisitos a construção é acompanhada desde a fase de concepção .

PROJETO DE CASA MAIS “VERDE”

A Casa Inteligente: Exposição no Museu de Ciencia em Chicago,  casa eco-friendly . A casa foi planejada para refletir o estilo de vida de um casal tentando minimizar a manutenção da casa, a eficiência e resolver em um espaço que não só é bonito, mas funcional.

Com enfase para  espaços para entretenimento, um quarto principal, que serve como um refúgio, uma brinquedoteca e um escritório , tudo o que tenha em mente os elementos naturais e harmonia com a terra. O projeto apresenta  cores suaves, texturas e cores orgânicas fundido com um estilo contemporâneo.

 Os pontos que me chamaram atencao foram:

Uso de paineis pre fabricados, feitos em concreto com cores diferentes, simplesmente aparafusados na estrutura.

 Materiais reciclados: as bancadas foram feitas de vidro e concreto reciclado, parecem um granito, e segundo eles a resistencia ao calor eh otima. A ceramica no banheiro era feita de garrafas de vinho recicladas.

O uso da madeira me impressionou muito… falPROJETO CASAS GEMINADAS SUSTENTAVEL - Rendering - FRENTE G_3aram que o ipe era do Brasil, e tinha o selo do FSC. Deixei meu email para eles entrarem em contato pra saber que firma vende essa madeira “certificada”. Fiquei curiosa pra saber onde estao reflorestando ipe na Amazonia, parece que o FSC considera uma madeira certificada se passar pelos criterios brasileiros. Eles falaram que o ipe e de crescimento rapido. Na internet li que so para dar flores o ipe leva 10 anos, imagino quanto tempo para virar madeira de casas.

 Outros detalhes sao as janelas com vidro duplo com painel de cortina por dentro, que vc controla o fechamento. Lembrei da qualidade das janelas do Brasil e como tem espaco para melhorias.
 O deck na parte externa era de plastico reciclado, mas eu pergunto: sera q eles estao reciclando mesmo ou produzindo plastico novo? O problema desse produto virar popular no mercado e acabar fabricando ainda mais plastico…porque sai mais barato produzir do que reciclar.

A casa tem energia gerada por uma turcasa de concreto sustentavel (2)bina eolica, so que na cidade nao e permitido usar esse tipo, pois ele ficaria bem visivel na vizinhanca. Existe outro tipo de turbina que nao eh tao eficiente e que ja esta sendo vendida no Brasil.
Outro dado interessantissimo foi a energia fotovoltaica, perguntei sobre os 10 cm de neve em cima, e a guia falou que pode ate ter 15 cm de neve e ele continua produzindo energia. Quem sou eu para duvidar?

  projeto casa sustentavel(3)

A casa tem 250m2 e custa em torno de R$ 750 mil para construir, sem contar o terreno e mobilia. O preco nao e muito SUSTENTAVEL para o cidadao comum…

PROJETO DE CASA A PROVA DE FURACÕES E TORNADOS

casa resiste furacao

Projeto de Casas Resistentes a furacões e tornados

Essa foto conta um pouco de como é a arquitetura nos EU.

As casas de madeira simplesmente desaparecem com a força dos ventos. Essa que resistiu foi feita com travamento e alguns pregos a mais.
Eu ja tive a “oportunidade” de passar uma noite no sufoco por um furacão chamado “Cindy” categoria 1 em 2005, antes do Katrina. Experiencia que nao desejo a quem tem um coração fraco vivendo em uma casa feita de gesso acartonado e meia duzia de pregos!!!
Na Florida estão construindo casas que resistem a furacões e tornados. Basicamente consiste em tijolos de concreto com ferragem e concreto para aumentar a resistência. Com a economia e o clima nessa situação, na da pra confiar que as empresas de seguro vão se segurar por muito tempo.Morei em New Orleans e vi muito piso desnivelado, paredes fora de esquadro e ate mesmo casas tortas! Antes dos furacões! E acho que não ha intenção nenhuma de mudar o sistema construtivo, que utiliza basicamente madeira e dry-wall.
Outra coisa non-sense eh o sistema de medidas Imperial. O sistema usa pés e polegadas, as medidas são muito mais aproximadas do que no sistema métrico. Já tentaram mudar para o sistema métrico ha alguns anos atras, mas houve muita resistência.Talvez por isso que tem tanto piso desnivelado nos EU…

Projeto e construção de casas resistentes

Science Daily (13 de julho de 2008) – Mais do que nunca, o projeto e construção pode ser melhorado significativamente para reduzir as pressões de vento para ajudar a resistir melhor a ventos fortes e furacões na construção residencial ou comercial, disse o professor de arquitetura NJIT Rima Taher, Doutor. Taher, que também é engenheira civil / estrutural, leciona na New Jersey School of Architecture. Cursos ministrados por ela incluem tópicos relacionados ao vento e terremotos, com orientações e recomendações para uma melhor concepção e construção em áreas propensas a furacão e terremoto .Certas formas de casa e os tipos de telhado pode fazer uma grande diferença”, disse ela.

Ela recomenda para a construção de qualquer nas regiões do vento forte o seguinte.

Projeto de Casas Resistentes a furacões e tornados

Projeto de Casas Resistentes a furacões e tornados

Design com prédios quadrados, hexagonais ou mesmo plantas octogonal. “Tais projetos reduzir as cargas de vento”, disse ela.

Telhados com inclinações múltiplas, como telhados inclinados tem melhor desempenho sob as forças do vento que telhados com empenas. Telhado com empena é comum em casas somente porque são mais baratos para construir. Investigação e testes mostram que  30-grau de inclinação do telhado tem os melhores resultados.

casa a prova de furacao,tornado, enchente

Projeto de Casas Resistentes a furacões e tornados

A força do vento sobre um telhado tendem a se elevar. “Isso explica por que os telhados sofrem golpe do vento durante eventos extremos”, disse ela. Para combater a elevação, ela aconselha ligar telhados para paredes com pregos, e não grampos. Telhados grampeados foram proibidos na Flórida, depois do furacão Andrew.

Ligações reforçadas entre a estrutura e a fundação. Falha estrutural é geralmente progressiva, onde a falha de um elemento estrutural provoca a falha do outro. As ligações reforçada podem ser baratas .

Beiral do telhado estão sujeitos a forças de vento que poderia provocar uma falha do telhado. Na concepção da casa resistente a furacão, as saliências deve ser limitado a cerca de 50 cm.

O que deve ter uma casa resistente a furacão ou tornado?

O desenho da casa inclui sistemas simples de reduzir o vento local incluindo bordas inferiores do telhado, como um friso entalhado ou uma grade horizontal. Instale o último, ao nível das sarjetas ao longo do perímetro das casas.

Uma fundação elevada reduz o risco de danos causados por tempestades e inundações.
Pesquisadores têm aprendido com os furacões anteriores, que:
Telhas de asfalto, muitas vezes falham devido a buracos criados por grampos. Pregos sao melhores.
Telhas de barro resistem a forças de vento melhor do que as shingles, mas quebram-se e pode ser atingido por estilhaços.
Telhas de concreto sofreu danos semelhantes como telhas de barro, mas foram mais resistentes à quebra de telhas de barro.
Telhados shingles se não for bem mantida, se sofrerem a acao dos ventos, transformam em flocos expondo a sub-camadas.
Falhas de revestimento de madeira compensada devido a prego inadequado.
Painéis de aglomerado não fornece uma boa base para a fixação de materiais de cobertura da superfície.
Telhados de empena eram mais propensos a falhas, mas construídos de alvenaria de concreto funciona muito melhor do que a construção d inclinacoes. Ancoragem inadequada das paredes e apoio lateral causado muitas falhas de empenas,
Folheado a Maçonaria também obtiveram bons resultados quando adequadamente construídos e ligados à estrutura. Folheados foram danificados, invariavelmente, um resultado de laços corroído, inadequada ou indevidamente incorporado. Folheado estruturas de alvenaria sujeitas a tempestades foram capazes, em muitos casos para suportar a tempestade melhor do que casas moldura de madeira sem verniz.
paredes com estrutura de madeira mal executado, a menos bem concebida e construída.
Cargas em componentes de construção e as conexões são significativamente aumentada quando o envelope é violado por vento forte ou estilhaços. Sistemas de alvenaria parecia resistir melhor do que os sistemas de outra parede.

Janelas e portas devem ser cuidadosamente instalada. Janelas devem ser protegidas com persianas furacão.
Detritos impulsionado por fortes ventos apresenta o maior perigo para os proprietários e de suas casas durante os furacões e tornados. Testes mostram que sistemas de paredes de concreto não sofrer danos estruturais, quando impactados por detritos transportados por ventos de furacão e tornado.

Eventos climáticos extremos – tornados, furacões, tempestades, inundações, incêndios florestais, deslizamentos de terra, terremotos …

Casas ou abrigos a prova de furacões, tornados e enchentes

Mesmo com tantos acidentes naturais as pessoas se recusam a fazer abrigos ou salas seguras em suas casas e empresas. As pessoas perdem suas vidas ou, sofrem lesões para o resto de sua vida.
Mas devido a frequencia desses eventos climáticos extremos , grande parte dos acidentes e mortes estão sendo causados pela mesma falta de protecao. As pessoas não querem suas casas projetadas de forma diferente – com a adição de uma sala segura , a adição de detalhes resistente ao vento de furacoes , colocando a casa em palafitas ou acima do nivel das águas de inundação que poderiam vir, ou qualquer outra coisa que possa ser feita.

Mudancas na Legislacao que poderiam evitar grandes prejuizos em eventos climáticos extremos.

Essas escolhas estão gerando prejuízos enormes para aqueles que estão construindo na forma convencional, bem como para aqueles ao seu redor,  famílias, comunidades,vizinhos e a equipe de resgate que tera que arriscar suas vidas para vir buscá-los na confusão. Ele está fazendo com que as escolhas inadequadas e prejudiciais entre a sua liderança politica em prover novas Leis que poderiam evitar mortes ocorra durante estes eventos climáticos extremos.

Custo de uma sala ou casa mais segura

O custo de ter uma sala segura em uma escola é muito menor do que a perda de vidas , inclusive crianças que estão sendo mutilados permanentemente durante um evento climático extremo onde a escola, a comunidade e a cidade deveriam ser responsáveis. Se que essa responsabilidade seja comprovada através de pagamentos diretamente em processos judiciais ou através dos custos indiretos para a comunidade, cidade e estado para a casa, alimentação, oferecer um serviço de saúde para lidar com as deficiências causadas por  lidar com a perda de produtividade e a dependência completa do indivíduo. Os custos  que serão gastos no  custo original para benefício da construção de uma sala segura em cada escola, em casa , comercio e prédio do governo devem ser levados em conta caso haja uma evento climatico e apenas uma pessoa seja afetado por ela.
É necessário aceitar e acreditar na seriedade desses eventos climáticos extremos e seus perigos reais.
Há coisas que podem ser feitas para prevenir e a maioria não são tão caros que comunidades e proprietários individuais, proprietários de edifícios, empresas e municípios não possam implementar. Estudos  foram feitos para tornar os edifícios resistentes a terremoto, métodos para a construção que são sustentam  ventos fortes de furacões e tornados. Edifício subterrâneo de  abrigos para tempestade ou casas em pilotis. As solucoes são conhecidas que podem atenuar o grau de dano e oferecer mais segurança para a vida humana em métodos de construção, materiais e abrigos resistentes a tempestade. Se os perigos de inundações podem ser mitigados através da construção sobre estacas e vigas pesadas acima do nível de inundação esperado, por que nao encarar essa mudancas climaticas e fazer algo para se precaver de outros eventos climaticos antes de voce se tornar mais uma vitima?

Uma verdadeira casa à prova de furacão oferece proteção em um quarto de concreto seguro, com uma porta de aço. Um método de construção para resistir ventos de até 350 km/h que fornece uma proteção muito maior que casas de madeira convencional. Esse método de construção é chamado ICF (Formas de Isopor para Concreto).

ICF combina a força do concreto com reforços de aço com uma resistência estrutural incrível. ICF tem se tornado cada vez mais popular nos EU, e o preço eh um pouco superior ao da construção de madeira (1 a 8% a mais, dependendo da sua área e o construtor).

Método construtivo
Além de ser mais seguro, os edifícios projetados em concreto são mais resistentes ao fogo, mais duráveis e energeticamente eficientes.

Os aspectos mais importantes de uma casa resistente a tornado incluem as paredes, teto e janelas. As áreas mais vulneráveis ​​da casa são o telhado e as janelas. Mesmo com o sistema de cobertura melhor conectado e janelas resistentes ao impacto, essas áreas ainda podem estar vulneráveis ​​dependendo de como o tornado atinge a casa (se for uma batida direta).

Assim, sua opção mais segura para uma casa à prova de furacão está em construir um “cofre” em casa que o quarto inteiro é construído de ICF, sem janelas. Aqui estão algumas recomendações adicionais para fazer o telhado e janelas de segurança em situações de vento forte.

As paredes tem uma incrivel capacidade para proteger de estilhaços. Em uma casa ICF, o teto é fixado às paredes por cintas de metal (também chamado de cintas de amarracao). Estas cintas são embutidas no concreto. Isso proporciona significativa proteção contra o vento .

Janelas e portas
O outro componente essencial para uma casa a prova de furacoes e tornados é a resistência das janelas. As janelas resistentes a impacto incluem um tipo especial de vidro que pode suportar o impacto de estilhaços.

Casas mais resistentes
Se os vizinhos também construirem casas mais resistentes, as chances de uma casa resistir ao impacto direto do vento eh maior.

POLUIÇÃO E SUSTENTABILIDADE

489bc-poluicao2bsonora-724226O que é poluição?

Poluição é a introdução de um contaminante no ambiente. Ele é criado principalm
ente por ações humanas, mas também pode ser resultado de desastres naturais.
A poluição tem um efeito prejudicial em qualquer organismo vivo em um ambiente, tornando virtualmente impossível sustentar a vida.
Poluição prejudica o ambiente da Terra e seus habitantes de várias maneiras. Os três principais tipos de poluição são:

Poluição da terra

Poluição dos solos é a poluição da superfície terrestre do planeta natural pelo industrial, comercial, atividades domésticas e agrícolas.
Alguns dos principais contribuintes para a poluição do solo são:

Fábricas
Refinarias de petróleo
Esgotos humanos
Petróleo e anticongelante vazamento de carros
Mineração
Lixo
Aterros superlotados
Desmatamento
Entulhos de construção

Mais de 80% dos itens em aterros sanitários podem ser reciclados, mas eles não são

A melhor maneira de prevenir a poluição da terra é  reciclar. Aqui estão algumas maneiras que você pode reduzir a poluição da terra:
Reutilizar os itens
Comprar produtos biodegradáveis
Armazenar todos os produtos químicos líquidos e resíduos em recipientes à prova de derrame
Comer alimentos orgânicos que são cultivados sem agrotóxicos
Não utilize pesticidas
Comprar produtos que tenham pouca embalagem
Não descartar o óleo de motor no chão

Poluição atmosférica

Poluição do ar é o acúmulo de substâncias perigosas para a atmosfera que a matéria viva a vida humana perigo e outros. Alguns dos principais contribuintes para a poluição do ar são:

Emissões de automóveis
Fumo do tabaco
Navios de grande porte
Vapores da tinta
Aerossóis
Incêndios florestais Combustão de carvão
Chuva ácida
Poluição sonora dos carros e construções
Usinas de energia
Fabricas

   
Uma maneira de a poluição do ar é a pé ou de bicicleta mais e dirigir menos. Isso vai diminuir a queima decombustíveis fósseis poluentes no ar. Algumas outras formas de prevenir a poluição do ar:
Carona  com os amigos e colegas de trabalho
Não fume
Mantenha o seu carro manutenção up-to-date
Se você tiver de dirigir, fazer seus recados de uma só vez
Não compre produtos que vêm em latas de spray aerosol
Quando você dirige acelerar lentamente
Sempre troque seu  filtro de ar
carro
    Use um cortador de grama de empurrar
Não use produtos químicos de limpeza fortes
Inspecionar aparelhos de gás e aquecedores regularmente

Poluição da Água

Poluição da água é a introdução da matéria químicas, biológicas e físicas em grandes massas de água que degradam a qualidade de vida que nela vive e consome.
Alguns dos principais contribuintes para a poluição da água são:
  Sistemas sépticos
Sabão de lavar seu carro
Petróleo e anticongelante vazamento de carros
Produtos químicos residenciais
Resíduos de origem animal
    Fábricas
Refinarias
Tratamento instalações de resíduos
Mineração
Pesticidas, herbicidas e fertilizantes
Esgotos de casas e predios
Derramamentos de óleo

A melhor maneira de prevenir a poluição da água é não jogar lixo e outros produtos químicos nocivos em nosso abastecimento de água. Aqui estão algumas maneiras que mais você pode evitar a poluição da água:
Evitar o uso de pesticidas e fertilizantes que podem correr em sistemas de água
Varrer sua calçada em vez de usar mangueira
Utilização de materiais não-tóxicos de limpeza
Limpar derrames de petróleo e outros líquidos com areia para gatos e doce-los
Não lavar pincéis na pia
    Lavar o seu carro longe de qualquer drenos de águas pluviais
Não jogue lixo, produtos químicos ou solventes em bueiros
Inspecionar seu sistema séptico a cada 3-5 anos


A melhor maneira de você se envolver com a prevenção da poluição é a  participar de um projeto ou programa de educacao ambiental. 

Concreto a 50 graus Celsius

Telhados e esquadrias reforçados que resistam a ventanias, e quem sabe, a ciclones. Garagens elevadas que evitem inundação pelo mar. Pisos de material permeável que ajudem a chuva a se infiltrar no solo. Essas são soluções que começam a ser adotadas no Brasil para que as edificações aguentem os chamados “eventos extremos” causados pelo aquecimento global. Afinal, um prédio é feito para durar ao menos 50 anos, prazo em que, no Estado do Rio, segundo especialistas, a temperatura terá subido de 2 a 6 graus, o nível do mar estará até 90 centímetros mais alto, os ventos poderão passar de 119km/h e as chuvas serão ainda mais concentradas.

Impacto das mudanças climáticas sobre a construção

Para registrar o impacto das mudanças climáticas sobre a construção, a arquitetura e o jeito de morar do carioca, o Morar Bem publica, ao longo de três domingos, a série “O novo clima e a moradia”. Hoje, nosso tema é a estrutura, ou seja, como fazer prédios de forma segura. Só para constar: construir em encostas é algo que nem se discute.

Aumento do nivel do mar

Segundo estudos do Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais (Ivig), da Coppe/UFRJ, nos últimos 50 anos foi observada na costa brasileira uma elevação do nível do mar de4 milímetros/ano (20 centímetros no total). Para os próximos 50, as previsões apontam para uma alta de 30 e 80 centímetros. E, segundo o professor Dorival Bruni, do Instituto de Geografia da UERJ, especificamente na cidade do Rio, as expectativas são mais pessimistas:de 60 a 90 centímetros. Considerando-se que as construções da orla ficam entre dois e três metros acima do nível do mar, diz ele, em dias de ressaca as águas  poderão invadi-las. Um exemplo extremo dessa situação, lembra, é a cidade de Atafona (RJ), onde o nível do mar já aumentou a ponto de destruir mais de cem casas.

– Em cinco décadas, não será raro, porexemplo, ondas atingindo as avenidas Vieira Souto e Atlântica em períodos de maré alta. Por isso, o ideal é que, daqui para a frente,sejam construídas na costa do estado, como medida preventiva,edificações cinco a dez metros acima do nível do mar – diz Bruni, recomendando que as construções sejam feitas afastadas das praias.

Construção de casa próxima à praia

Outra sugestão dos especialistas é uma volta ao passado: as casas em áreas litorâneas e sujeitas a alagamentos recorrentes devem ser erguidas sobre pilotis. Além disso, nos empreendimentos imobiliários, garagens construídas sobre pisos elevados serão a cada dia mais comuns.

– Ao construir uma casa próxima à praia, o proprietário já deve checar o histórico do nível do mar na região em períodos de maré alta e, para se resguardar, prever um acréscimo. Nos edifícios, a tendência é que as garagens fiquem em pavimentos elevados. Há tempos, as empresas deixaram de construir garagens subterrâneas, mas, nas que existem, precisaremos de sistemas de bombeamento eficientes – ressalta Roberto Kauffmann, presidente do Sinduscon-Rio.

Ainda segundo o estudo da Coppe, em 60 anos, levando em conta os cenários climáticos mais quentes, a faixa que vai da costa do Rio Grande do Sul até o sul do Estado do Rio pode se tornar uma região propícia ao desenvolvimento de ciclones extratropicais. Assim, ressalta Paulo César Rosman, professor de engenharia oceânica e costeira da Coppe, é preciso mudar os códigos de edificações, no que se refere, por exemplo, à intensidade dos ventos.

– As normas brasileiras para a instalação de esquadrias, por exemplo, se baseiam numa determinada velocidade de ventos, que varia segundo a região. Mas ninguém no país está preparado para ventos de 200km/h, que é um cenário possível no futuro (hoje, no Rio, uma frente fria traz ventos de uns 80km/h) – afirma Rosman.

– Nas esquadrias adotadas em países onde ciclones e furacões são comuns, a estrutura metálica é reforçada e o tipo de fixação é diferente das janelas brasileiras de hoje. Além disso, são adotados os vidros duplos que, separados por uma câmara de ar, garantem maior estabilidade – ressalta Francisco Vasconcelos, vice-presidente de Meio Ambiente do Sinduscon-SP.

Reforço para as fundações, paredes e lajes

Com os fortes ventos, as fundações das edificações deverão ser reforçadas, especialmente as de prédios isolados, alerta Charles Pizzato, professor do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Luterana do Brasil, em Torres, Rio Grande do Sul.

– Como a força do vento vai diminuindo à medida que a concentração urbana vai aumentando, essas edificações devem contar com reforços estruturais adequados – explica Pizzato, que é autor de um artigo chamado “Os efeitos dos ventos sobre as edificações – O caso do ciclone Catarina”, lembrando que projetos específicos de paisagismo ou arborização ajudam a proteger as casas. -Obviamente, a vegetação deve ser composta de espécies resistentes a fortes ventos.

João Talocchi, coordenador da campanhade clima do Greenpeace, lembra que os telhados das casas brasileiras também não estão preparados para ventos tão intensos:

– Não poderemos ter casas que vão destelhar com ventanias. Talvez já seja hora de importar as técnicas construtivas de países habituados a esses eventos extremos. no,no!!

Caixas d’água com tampas de rosca ou com trava

Para alguns especialistas, o telhado,em lugares com muita incidência de ventos, deveria ser uma laje de concreto armado impermeável, sem telhas.

Mas a importação de técnicas,na realidade, já começou. Está sendo adotado no país o chamado “sistemashingle“, muito usado nos Estados Unidos, pelo qual, sobre a estruturado telhado (que pode ser de madeira ou de aço), são instaladas chapas de compensado, como se fosse um assoalho. As telhas, feitas basicamente de asfalto e fibra de vidro, são pregadas nesse assoalho, formando uma estrutura única. Além disso, pontos termo-adesivos distribuídos pelas telhas colam-se com a exposição ao sol.

– Assim, diferentemente das telhas coloniais, comumente usadas no Brasil, elas não se soltam – explica Juvenal Rolim, diretor da TC Shingle do Brasil, ressaltando que, embora o sistema tenha chegado ao país há cerca de dez anos, é pouco difundido no mercado nacional.

Outro problema que já começa a se observar na cidade do Rio está no modelo das caixas d’água – as tampas,soltas, acabam sendo levadas pela ação do vento. O engenheiro Mário Roberto Moura ressalta que alguns fabricantes brasileiros já desenvolvem caixas com sistema de trava ou com tampa-rosca – como é usado em países que sofrem com ciclones e furacões. Assim, evita-se que a peça se solte.

José Marengo, climatologista do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), dá outro alerta: o Estado do Rio tende a apresentar eventos extremos de chuvas,concentradas – o que, aliás, já acontece:

– Isso não significa que o volume global de chuvas seja maior, pelo contrário, há períodos de escassez. Mas as chuvas são mais intensas e acumuladas. E as galerias pluviais não estão dimensionadas para tal volume de águas.

– Os coletores pluviais, tanto de ruas como de edificações, têm cargas que suportam um determinado volume de chuvas, que segue um padrão medido por uma série histórica. A partir do momento em que esse padrão está mudando, tudo precisa ser repensado -ratifica Francisco Vasconcelos, do Sinduscon-SP.

Os sistemas de captação e reutilização da água da chuva deverão ser mais adotados:

– Não é só uma questão de sustentabilidade. Haverá períodos de escassez, a água terá de ser guardada – acrescenta Tallochi, do Greenpeace.

Para evitar que, com as fortes chuvas,a água acumulada invada casas e prédios, a tendência, segundo especialistas, é que o setor de construção civil comece a usar mais pisos permeáveis, como os blocos intertravados de concreto. Eles têm juntas entre as peças que facilitam o escoamento de água. Outra opção é o concregrama, piso de cimento vazado, preenchido com grama – ele é indicado para passagens e estacionamentos de veículos, onde um gramado seria esmagado pelo peso.

– Estes pisos permitem que a água retorne ao solo. É uma solução ecológica e eficiente para resolver a questão prática da inundação – diz a arquiteta Lourdes Zunino, especialista em conforto ambiental.

Redes elétricas terão de ser melhor dimensionadas

Vasconcelos alerta ainda para o aumento da incidência de raios e para os riscos da descarga elétrica nos edifícios. A concessionária de energia Ampla, que atende a 66 cidades no Estado do Rio, confirma que, entre 2007 e 2009, segundo dados do Sistema Net Raios, programa do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), esse crescimento foi de 107%.

– Nas edificações, há um risco maior de curtos-circuitos e queima de equipamentos. Você passa a precisar de uma rede elétrica melhor dimensionada e, portanto, de uma revisão dossistemas de aterramento dos prédios – acrescenta o vice-presidente de Meio Ambiente do Sinduscon-SP.

Como saber se uma casa é realmente sustentável?

Como você sabe se uma casa é realmente sustentável? O que você deve procurar? Esta lista irá ajudá-lo a identificar uma casa verdadeiramente verde e garantir que você obtenha uma vida saudável, com economia, que custa menos para operar e que tem menos impactos ambientais:
    Local: 

Novas casas verdes e bairros não devem ser construídos em locais ambientalmente sensíveis, como terras férteis, as zonas úmidas e os habitats de espécies ameaçadas. Os sites mais sustentaveus sao aqueles que aproveitam areas antigas, como estacionamentos , pátios ferroviários, centros comerciais e fábricas. Desenvolvimento compacto onde a densidade populaciona é de pelo menos seis unidades por hectare. Sua casa deve ser a uma curta distância dos transportes públicos – como as linhas de ônibus, sistemas de metrô – assim você pode deixar seu carro em casa. A casa verde também deve estar a uma curta distância de parques, escolas e lojas. Veja quantas atividades você pode realizar em uma bicicleta. Isso é saudável para você, sua carteira e do ambiente. 
    * Tamanho: Não importa quantas estrategias verdes tiver sua casa, uma casa de 5oo metros quadrados consome muito mais recursos naturais do que uma casa de 250 metros quadrados . Quanto maior a casa também vai precisar de mais aquecimento, ar condicionado e iluminação. Se você realmente quer uma casa sustentável, reduza o tamanho.

   Design da casa: 

O lar deve ser orientado para aproveitar luz natural abundante no interior para reduzir os requisitos de iluminação e tirar proveito da ventilacao natural.Janelas,  clarabóias, monitores de luz, brise-soleis outras estratégias devem ser usados para trazer luz natural ao interior da casa. O exterior devem ter dispositivos de sombreamento (varandas, toldos, trelicas – melhor de tudo – árvores), particularmente nas fachadas  oeste e sobre portas e janelas, para bloquear o sol quente do verão. janelas de vidro com venezianas reduzir o ganho de calor no verão ea perda de calor durante os meses frios do inverno. O telhado deve ser claro para reduzir a absorção de calor.
* Materiais de Construção Verde: Uma casa verde foram construídos ou  renovados com saúde, materiais de construção não-tóxico e mobiliário, como de baixa e zero-VOC (Compostos Orgânicos Voláteis), tintas e selantes e materiais não-tóxicos,. A madeira deve vir de fontes renováveis rapidamente como o bambu, mas se madeiras tropicais são utilizados, eles devem ser certificadas pelo Forest Stewardship Council, que controla o manejo das florestas.. Uma casa verde utiliza materiais  com conteúdo reciclado ou reutilizado significativamente.

Isolamento: 

Um isolamento não-tóxico, derivadas de matérias como a soja  ou algodão, com um alto fator R (resistência térmica) nas paredes de uma casa e o telhado irá ajudar a evitar fugas de ar fresco no verão e vazamento de ar quente no inverno.

    Janelas e portas: 

Janelas e portas exteriores deverão ter uma classificação ENERGY STAR ®, e eles devem fechar suas aberturas firmemente para evitar o ganho de calor no verão e a perda de calor no inverno.

    Eficiência Energética: 

Uma casa verde tem iluminação eficiente, aquecimento, arrefecimento e sistemas de aquecimento de água. Aparelhos deverão ter uma classificação ENERGY STAR ®.

    Energias Renováveis: 

O lar deve gerar alguns de sua própria energia com tecnologias como sistemas fotovoltaicos.

    Eficiente da Água: 

A casa verde tem um sistema de rega a conservação de água e cozinha eficiente e banheiro. Procure reaproveitar as águas pluviais e criar um sistema de armazenamento, especialmente em regiões mais secas, onde a água é cada vez mais escassa e cara.

    Qualidade Ambiental Interna: 

luz natural deve atingir pelo menos 75% do interior da casa. Ventilação natural (através de orientação da casa, as janelas operáveis, ventiladores, chaminés de vento e outras estratégias) devem trazer ar fresco abundantes no interior da casa. O sistema de HVAC (aquecimento, ventilação e ar condicionado) deve filtrar todo o ar de entrada e respiro o ar velho fora. 

     Paisagismo:

Trelicas, grandes árvorese paisagismo devem sombra exterior, garagem, pátios e jardins de pedras sao  outras medidas para minimizar ilhas de calor. Metros deve ser paisagístico com plantas tolerantes à seca, em vez de plantas aquáticas e capim na maioria das regiões. 

http://www.greenhomeguide.org/what_makes_a_green_home/green_home_checklist.html
Essas recomendacoes sao para os EU, algumas se aplicam ao Brasil, mas ha diferencas regionais.
Green Home Checklist

Whether you’re a homebuyer or a renter looking for a green home, how do you know if a home is truly green? What should you look for? This checklist will help you identify a truly green home and ensure you get a healthier, high-performance green home that costs less to operate and has fewer environmental impacts:

  • Location: New green homes and neighborhoods must not be built on environmentally sensitive sites like prime farmland, wetlands and endangered species habitats. The greenest development sites are “in-fill” properties like former parking lots, rail yards, shopping malls and factories. Look for compact development where the average housing density is at least six units per acre. Your home should also be within easy walking distance of public transportation – like bus lines, light rail, and subway systems – so you can leave your car at home. A green home should also be within walking distance of parks, schools, and stores. See how many errands you can carry out on a bicycle. That’s healthier for you, your wallet, and the environment.
  • Size: No matter how many green building elements go into your home, a 5,000-square-foot green home still consumes many more natural resources than a 2,000-square-foot green home. The larger home will also require more heating, air conditioning and lighting. If you really want a sustainable home, choose a smaller size.
  • Building Design: The home should be oriented on its site to bring abundant natural daylight into the interior to reduce lighting requirements and to take advantage of any prevailing breezes. Windows, clerestories, skylights, light monitors, light shelves and other strategies should be used to bring daylight to the interior of the house. The exterior should have shading devices (sunshades, canopies, green screens and – best of all – trees), particularly on the southern and western facades and over windows and doors, to block hot summer sun. [t4]Dual-glaze windows reduce heat gain in summer and heat loss during cold winter months. The roof should be a light-colored, heat-reflecting Energy Star roof, or a green (landscaped) roof, to reduce heat absorption.
  • Green Building Materials: A green home will have been constructed or renovated with healthy, non-toxic building materials and furnishings, like low- and zero-VOC (volatile organic compound) paints and sealants and non-toxic materials like strawboard for the sub-flooring. Wood-based features should come from rapidly renewable sources like bamboo, but if tropical hardwoods are used, they must be certified by the Forest Stewardship Council. A green home uses salvaged materials like kitchen tiles and materials with significant recycled content.
  • Insulation: A non-toxic insulation, derived from materials like soybean or cotton, with a high R (heat resistance) factor in a home’s walls and roof will help prevent cool air leakage in the summer and warm air leakage in the winter.
  • Windows and Doors: Windows and exterior doors should have ENERGY STAR® ratings, and they should seal their openings tightly to avoid heat gain in summer and heat loss in winter.
  • Energy Efficiency: A green home has energy-efficient lighting, heating, cooling and water-heating systems. Appliances should have ENERGY STAR® ratings.
  • Renewable Energy: The home should generate some of its own energy with technologies like photovoltaic systems.
  • Water Efficiency: A green home has a water-conserving irrigation system and water-efficient kitchen and bathroom fixtures. Look for a rainwater collection and storage system, particularly in drier regions where water is increasingly scarce and expensive.
  • Indoor Environmental Quality: Natural daylight should reach at least 75% of the home’s interior. Natural ventilation (via building orientation, operable windows, fans, wind chimneys and other strategies) should bring plentiful fresh air inside the house. The HVAC (heating, ventilation and air conditioning) system should filter all incoming air and vent stale air outside. The garage should not have any air handling equipment or return ducts, and it should have an exhaust fan.
  • Landscaping: Vine-covered green screens, large canopy trees and other landscaping should shade exterior walls, the driveway, patios and other “hardscape” to minimize heat islands. Yards should be landscaped with drought-tolerant plants rather than water-guzzling plants and grass in most regions.


http://www.greenhomeguide.org/what_makes_a_green_home/green_home_checklist.html

Como diminuir o impacto ambiental da sua casa:

Painel solar para aquecimento de água com boiler e aquecimento a gás

Painel fotovoltaicos geradores de energia
Caixa dágua para água pluvial
Tanque com reciclagem de água pluvial para uso nos vasos sanitários
Vasos sanitários com fluxo reduzido
Reciclagem de água sanitária para uso no jardim
Equipamentos domésticos com baixo consumo de energia
Paisagismo com plantas nativas e que requerem pouca água.
Utilização de composteira para lixo orgânico e aproveitamento como fertilizante natural. Veja o video  Claudio Spinola, diretor do Instituto Morada da Floresta, de como fazer uma composteira

Medidor elétrico inteligente
Lixeiras de coleta seletiva
Estudo solar para uso da Iluminação Natural e conforto ambiental, minimizando o uso de ar condicionado e aquecimento. Sala solar. Parede solar. Claraboia no teto para melhorar iluminação e exaustão. Brise-soleil e varandas para proteger do sol forte
Usos de materiais regionais

Uso de tintas que com baixo nível de componentes voláteis.

Lâmpadas eficientes (halogenas) e , sistema de iluminação com detector de presença, iluminação de jardim com luminarias solares com sensores foto eléctricosAproveitar a ventilação natural para maximizar o conforto em relação ao clima da regiãoedução de áreas pavimentadas com soluções diferenciadas_pavimento poroso, cascalho, , para reduzir o calor e aumentar a infiltração de agua no solo. Colocar pavimentação onde aquecimento eh desejado.

Cerca de madeira e decks,

pisos permeáveis,

jardim de chuva infiltração com plantações nativas,

painéis solares,

uma matriz de 2,5 kW fotovoltaica fornece 1 / 3 da energia necessária para a casa.

Os assoalhos de madeira de carvalho são usados com selante de baixo VOC.

Os degraus de escadas e armários são de pinheiro recuperado.

A armazenagem de calçados no patamar de entrada oferece um lugar para tirar os sapatos antes de partículas são arrastadas para dentro da casa. Um tapete especial está instalado além de ajudar a manter a sujeira em um só lugar.

As bancadas de madeira recuperada e armarios foram integradas  para distribuição hidráulica.

Eletrodomésticos são padrão Whirlpool (doados).

O barril de agua eh de madeira recuperada recolhe a água da chuva para irrigar e ajudar a compensar o escoamento de águas pluviais.

Água Válvula para interromper o fluxo quando a temperatura atinge 31 graus

reúso de água para a descarga

Torneiras e chuveiro e máquina de lavar roupa com consumo reduzido de agua

Sistema de coleta de água da chuva para regar as plantas

avaliado máquina de lavar louça Energia As lâmpadas LED

e as lâmpadas incandescentes

Mini-split, bomba de calor com velocidade variável dupla e modo de desumidificação termostatos programáveis portas e janelas de alta eficiência placa da espuma de isolamento térmico e espuma rígida de célula fechada, por toda parte, inclusive sob a laje do porão Infiltração de células fechadas barreira de espuma clarabóias

Vaga sensor no porão de luzes

Porta chaves nos armários a roupa

para lâmpadas de teto,

Placas de energia fotovoltaicos com

web monitorar o desempenho acessível medidor elétrico telhado membrana Instantânea,

on-demand gás aquecedor de água quente com o ar exterior e da câmara de combustão selada

A recuperação de energia na linha de drenagem principal para pré-aquecer a água quente para uso doméstico Umidade controlada banheiro

exaustor Electrico

Rastreamento da conta via internet

Roupas de linhas

Qualidade do Ar Nenhuma pintura VOC  Pouco ou nenhum selantes ou calafetacao VOC

Qualidade do Ar Interior

tapete lavável reciclados  na entrada

Calçados banco de armazenamento de entrada

MERV 13 classificados filtros de ar localizado na RA grades para facilitar o acesso

Site jardim de chuva e campo nativo

Sistema de águas pluviais de infiltração

madeira tratada pelo calor para a plataforma, grades e cercas conservantes químicos não é necessária

Paisagismo com plantas nativas

Materiais FSC portas de madeira interior, molduras, vigas e compensados

Piso de carvalho recuperado

Tapume  reciclado de cimento.

Madeiras  recuperada usadas em degraus, peitoris, portas de armário da cozinha, despensa e portas

Reciclados de demolição e restos de construção

tapete com materiais reciclados

Aço reciclado conteúdo utilizado para trilhos e patins de escada

Recuperado da bancada do  banheiro e pia

Producao de poluentes de uma casa com ar condicionado:

Gas carbonico (CO2) 400 kg/ano
Acido sulfurico (SO2) 4kg/year
Nitric Oxide (NO) 1/2kg/year
Queima de carvao 700kg ou 1 m3
Contaminação de mercúrio na atmosfera 7 mg

Arquitetos lidam com conforto térmico, desempenho energético, durabilidade de materiais. No entanto, o conceito de sustentabilidade abrange diversas áreas, que visa à preservação da espécie humana. As propostas visam à redução de consumo de água e energia, reaproveitamento de materiais, uso de materiais reciclaveis, nao toxicos, equipamento de energia solar e de armazenamento (do calor) da água para funcionar como alternativa ao aquecimento a gás da água das torneiras; a construção de uma tubulação específica que permita a reutilização reúso da água do chuveiro nas descargas e jardins, equipamento para captação da água das chuvas,etc.

Apesar de os exemplos mais significantes ainda serem estrangeiros, muito já está se fazendo no Brasil, de acordo com nossas condições climáticas e econômicas.

Detalhes sustentaveis:

Painel solar para aquecimento de água com boiler e aquecimento a gás

Painel fotovoltaicos geradores de energia

Caixa dágua para água pluvial

Tanque com reciclagem de água pluvial para uso nos vasos sanitários

Vasos sanitários com fluxo reduzido

Reciclagem de água sanitária para uso no jardim

Equipamentos domésticos com baixo consumo de energia

Paisagismo com plantas nativas e que requerem pouca água.

Utilização de composteira para lixo orgânico e aproveitamento como fertilizante natural

Medidor elétrico inteligente

Lixeiras de coleta seletiva

Caixa de compostagem

Estudo solar para uso da Iluminação Natural e conforto ambiental, minimizando o uso de ar condicionado e aquecimento. Sala solar. Parede solar. Claraboia no teto para melhorar iluminação e exaustão. Brise-soleil e varandas para proteger do sol forte

Usos de materiais regionais

Uso de tintas que com baixo nível de componentes voláteis.

Lâmpadas eficientes (halogenas) e , sistema de iluminação com detector de presença, iluminação de jardim com luminarias solares com sensores foto eléctricos

Aproveitar a ventilação natural para maximizar o conforto em relação ao clima da região

Redução de áreas pavimentadas com soluções diferenciadas_pavimento poroso, cascalho, , para reduzir o calor e aumentar a infiltração de agua no solo. Colocar pavimentação onde aquecimento eh desejado

City beautiful paper City beautiful paper

Beautiful Economic Features of Public Landscaping in City Beautiful
By
Emilson Caputo Delfino Silva And
Adriana Marasca
Department of Marketing, Business Economics & Law, University of Alberta

Abstrato

O movimento Cidade Bonita que aconteceu em Chicago, em 1893, durante a Exposição Colombiana- World’s Columbian Exposition foi  de
grande alcance e da inspiração na area artística, arquitetônico, social, político e econômico. Entre os aspectos artísticos e arquitetonicos do Movimento Cidade Bonita, a  alta qualidade paisagismo público foi de suma importância.
Quanto a  lógica econômica por trás do movimento, encontramos o pensamento que uma bela cidade deveria aumenta a satisfação de seus moradores , portanto, o aumento dos valores dos imoveis, bem como expande os negócios da cidade, com aumento das vendas  de bens e serviços da cidade para os clientes local  turistas.

Lógica econômica por trás do movimento Cidade Bonita

Este artigo analisa a lógica econômica por trás do movimento Cidade Bonita . Consideramos um Economia “regional”, que consiste de duas cidades adjacentes, que são idênticas em muitos de seus atributos, como o tamanho de suas populações. Construímos um modelo de equilíbrio geral para os agentes (consumidores e produtores) nesta economia e demonstramos que a lógica econômica por trás do  Cidade Bonita  e forte.

A riqueza e bem-estar de cada cidade são proporcionais ao seu nível de qualidade e qualidade de uma cidade é proporcional ao  nível de qualidade do paisagismo público da cidade.

 Abstract
City beautiful was a movement of great reach and inspiration, which apparently, was initiated in Chicago in 1893 during the World’s Columbian Exposition. The movement’s premises were artistic, architectural, social, political and economic. Among the artistic and architectural aspects of the city beautiful movement, the provision of high quality public landscaping was of paramount importance. As for the economic rationale behind the movement, we encounter the thinking that a beautiful city should increase its residents’ enjoyment of the city’s attributes and hence attachment to the city, raise real estate values as well as expand city business, with larger sales of city goods and services to local and touristic customers.
This paper examines the economic rationale behind the city beautiful movement. We consider a “regional”economy consisting of two adjacent cities, which are identical in many of its attributes, such as
the sizes of their populations. We build a general equilibrium model for the agents (consumers and producers) in this economy and demonstrate that the economic rationale behind the city beautiful
movement is sound. Each city’s wealth and welfare are proportional to its quality level and a city’s quality level is proportional to the city’s public landscaping quality.